Biologia Forense

A genética e biologia forense é uma das áreas da ciência forense, que utiliza os conhecimentos e as técnicas de genética e de biologia molecular, para apoiar e auxiliar a justiça, a deslindar casos sob investigação policial e/ou do Ministério Público. Esta área é também conhecida com DNA Forense.

 

Francisco Corte-Real, vice-presidente do INML (Instituto de Medicina Legal) e especialista em genética e biologia forense afirma que, esta área do saber é” muitíssimo importante para ajudar a deslindar casos que, de outro modo, jamais seriam resolvidos”.

 

No caso de um homicídio, por exemplo, equipas de especialistas do INML deslocam-se ao local do crime, recolhem vestígios considerados importantes, como fragmentos de pele do agressor, pêlos, cabelos, manchas de sangue, entre outros, protegendo tudo o que possa ser passível de destruição.

 

O papel do INML , lembra Francisco Corte-Real, “não é o de acusar criminosos ou atribuir responsabilidades por quaisquer atos praticados”. Os técnicos da genética e biologia forense “limitam-se a analisar fatos, com base nos conhecimentos e rigor científico, e a elaborar relatórios para apreciação dos tribunais, que decidirão depois de confrontados outros meios de prova.

 

Ao serviço de genética e biologia forense compete-lhe a realização de perícias e exames laboratoriais de:

 

  • hematologia forense;
  • vestigios orgânicos como manchas de sangue encontradas nos locais dos crimes, de sémen deixado nas vítimas de crimes de natureza sexual, de pêlos ou cabelos suspeitos de percentencerem a criminosos);
  • identificação biológica de parentesco(identificação de paternidade ou maternidade, entre outros);
  • identificação genética individual (identificação de um corpo ou fragmentos de um corpo).

 

Crimes Ambientais

 

Biólogos capacitados nas técnicas de biologia molecular (DNA) e de histopatologia, tanto para perícias criminais quanto para cíveis, vêm conseguindo destaque na área forense, mais especificamente na aplicação das ciências biológicas no esclarecimento de crimes pela Justiça.

Mas não é apenas no processo para desvendar crimes contra seres humanos que os biólogos têm sido úteis. A análise do crime contra o ambiente também passou a ampliar o campo de trabalho do biólogo, com o advento da lei 9.605/1998, quando empresas também começaram a ser investigadas. Pessoas jurídicas passaram a ser responsabilizadas criminalmente por causar danos ao ambiente ou mesmo por não apresentar laudo comprovando a recuperação do dano ambiental.

 

Fonte: http://bi126.blogspot.com/2008/01/gentica-e-biologia-forense.html

http://periciacriminal.com/novosite/pericia-criminal-e-biologia-forense/

http://vestibular.uol.com.br/ultnot/resumos/ult2765u5.jhtm

Anúncios